Suzano Papel e Celulose obtém grau de investimento pela agência de rating Fitch

Elevação de nota reflete geração de caixa e redução de alavancagem da empresa

 

Obtivemos o grau de investimento (investment grade) pela Fitch. A agência de classificação de riscos elevou o nosso rating de BB+ para BBB- na escala global e de AA+ para AAA na escala local, com perspectiva estável. Ao justificar nossa conquista do grau de investimento, a Fitch ressaltou a forte geração de caixa e a redução no nível de endividamento da nossa empresa.

“Esta é uma conquista bastante aguardada por nós. As últimas operações realizadas no mercado internacional demonstravam que os investidores já consideravam a Suzano uma empresa com grau de investimento, mas nos faltava o reconhecimento por parte das agências de risco. Agora, a Fitch é a primeira agência a nos incluir nesse seleto grupo de empresas”, afirma Marcelo Bacci, nosso Diretor Executivo de Finanças e Relações.

A nossa geração de caixa operacional acumulada entre janeiro e setembro somou R$ 2,4 bilhões, expansão de 14,3% em relação a igual período de 2016. No mesmo intervalo, o EBITDA ajustado cresceu 6,2% e atingiu R$ 3,2 bilhões.

A dívida líquida, por outro lado, encolheu 10% desde o início do ano e terminou o mês de setembro em R$ 9,3 bilhões. Com isso, a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e EBITDA ajustado, caiu de 2,6 vezes em dezembro de 2016 para 2,3 vezes em setembro passado.

A melhoria dos indicadores financeiros contribuiu para realizarmos novas emissões e conseguirmos alongar o prazo da dívida de 42 para 80 meses.

Em março deste ano, fomos a primeira empresa do setor de papel e celulose sediada em mercados emergentes a emitir títulos externos com prazo de 30 anos. Na oportunidade, as Senior Notes foram emitidas com taxa de 7,0% ao ano. Em setembro, realizamos uma nova operação de captação com prazo de 30 anos, desta vez com taxa de 6,3% ao ano, compatível com o patamar obtida por empresas com o grau de investimento.