Fusão entre Suzano e Fibria será concluída em 14 de janeiro de 2019

Por G1

As produtoras de celulose Suzanoe Fibria anunciaram nesta quinta-feira (29) o cronograma para concluir a fusão anunciada em março. A programação envolve a substituição das ações da Fibria por ações da Eucalipto e depois a troca dessas por ações da Suzano, que começará em 4 de janeiro e terminará em 8 de janeiro.

A fusão será consumada em 14 de janeiro de 2019. O anúncio ocorre no mesmo dia em que a fusão foi aprovada pela União Europeia.

Em comunicado, a Suzano informou que a companhia “terá uma nova marca e se chamará Suzano a partir da conclusão da reorganização societária”.

O presidente da atual Suzano Papel e Celulose, Walter Schalka, se manterá no comando da companhia combinada, juntamente o com o atual vice-presidente de finanças, Marcelo Bacci.

“A Suzano terá capacidade de produção de 11 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papel por ano. A companhia contará com aproximadamente 37 mil colaboradores diretos e indiretos e 11 unidades fabris, capazes de abastecer mais de 90 países e gerar um volume de exportações de R$ 26 bilhões nos últimos 12 meses encerrados em 30 de setembro de 2018”, informou a Suzano.

A reorganização societária prevê uma série de etapas para sua concretização. Cada acionista da Fibria receberá, para cada ação ordinária, 0,4611 ação ordinária de emissão da Suzano e R$ 52,50, ajustados conforme previsto no Protocolo e Justificação de Incorporação aprovado pelos acionistas.

Em decorrência da fusão, as ações da Suzano passarão a ser negociadas na Bolsa de Nova York (NYSE) e as ações da Fibria deixarão de ser negociadas na B3 e na NYSE ao final do dia 3 de janeiro, segundo a Suzano.