Nosso time jurídico é indicado em premiação!

Nosso time jurídico acaba de ser indicado para uma das mais importantes premiações jurídicas da América Latina. O International Law Office (ILO) e a Lexology, em parceria com a Association of Corporate Counsel (ACC), indicaram a nossa equipe legal entre as melhores da América Latina na área de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês). O anúncio do principal destaque de 2016 nesta categoria ocorrerá em março do próximo ano, no Rio de Janeiro, durante o 7º Latin American Counsel Awards.

Além da recém anunciada compra de ativos florestais no Maranhão e em Tocantins, concluímos este ano outras três operações de M&A: a aquisição de ativos florestais da Eco Brasil Florestas, a associação com a Ibema e a da aquisição das ações da Mucuri Energética S.A., detentora de uma pequena central hidrelétrica (PCH).

Para chegar à lista de finalistas, os organizadores do prêmio solicitaram a um público de assinantes de seus serviços a indicação de equipes e indivíduos que se sobressaíram em suas atividades. O foco da pesquisa é identificar os profissionais que prestam um serviço de excelência e se destacam entre os colegas, e não simplesmente reunir aqueles envolvidos em grandes transações.

“É uma grande honra recebermos este reconhecimento internacional conferido ao trabalho de nossa equipe. Todo o time do Jurídico se envolve nessas operações, seja na avaliação de riscos do negócio, seja na conclusão do acordo em si”, explica nosso diretor Jurídico e de Relações Institucionais, Pablo Machado. “Fiquei especialmente orgulhoso pelo fato de a indicação ser direcionada ao time, e não a um nome ou figura em especial. Toda a área institucional e legal, sem exceção, se envolveu nas transações de M&A do ano de alguma forma e essa indicação tem de ser vista como resultado do trabalho de cada um de nós, mas, acima de tudo, pelo resultado conjunto do trabalho”, afirma.

Nossa mais recente operação concluída foi a compra de ativos florestais das empresas Companhia Siderúrgica Vale do Pindaré e Cosima – Siderúrgica do Maranhão, anunciada em outubro. Avaliada em US$ 245 milhões, a operação envolveu a compra de 75 mil hectares de terras e demandou mais de 18 meses de trabalho intenso por parte da nossa equipe legal, representada por cerca de 20 pessoas.

“A primeira etapa do trabalho da equipe em operações dessa natureza é composta pela avaliação dos riscos e a viabilidade do negócio, incluindo a percepção sobre os ganhos potenciais oriundos da transação e fatores mitigadores de riscos. Depois há a estruturação legal, que consiste em toda a arquitetura da transação, seguida da negociação de todas as suas condições e da implementação do negócio”, afirma Machado.