Somos finalistas em três prêmios anuais do IBEF

Nossa empresa foi a única empresa do País indicada à final em três prêmios anuais concedidos pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) em 2016. A companhia venceu o Prêmio Revelação em Finanças e foi indicada nas premiações O Equilibrista, que indica o CFO do ano, e no Golden Tombstone, de melhor operação financeira do ano. Para chegar a essa indicação, fomos vencedores do prêmio Golden Tombstone na categoria Debt, com a primeira emissão de green bonds em dólares da América Latina.

 

“A presença da Suzano nas três finais representa o trabalho de toda uma equipe. Só conseguimos inovar em iniciativas na área financeira porque temos as pessoas certas no nosso time”, afirma o nosso diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores, Marcelo Bacci. “Este reconhecimento externo corrobora a preocupação da Suzano em atrair e reter os melhores talentos do mercado”, complementa o executivo, um dos finalistas do O Equilibrista.

 

A divulgação do resultado do Prêmio O Equilibrista aconteceu na noite desta segunda-feira. Antes de integrar a lista de melhores executivos financeiros do Brasil em 2016, nós também havíamos nos destacado em outras duas premiações. Em outubro, Lais Motti Meduna, nossa coordenadora de Gestão de Desempenho, foi indicada ao Prêmio Revelação em Finanças IBEF SP/KPMG. Ela conquistou o primeiro lugar com o trabalho “Um Ano em Dois Dias – Introduzindo: Ebitda Day”, uma iniciativa que possibilita a conclusão do orçamento da empresa em apenas dois dias e que reúne todas as principais áreas da nossa empresa.

 

Na semana passada, o trabalho da nossa equipe Financeira foi novamente reconhecido pelo IBEF. A companhia venceu o prêmio Golden Tombstone na categoria Debt, com a primeira emissão em dólares de Green bonds feita por uma empresa brasileira. O Prêmio de Operação do Ano ficou com a Kroton Educacional, que também havia vencido na categoria M&A. A CVC Brasil levou a categoria Equity.

 

“Estamos sempre atentos às oportunidades de manter nossa solidez financeira e reduzir nosso grau de endividamento e, para isso, precisamos, também, inovar no desenvolvimento de novas iniciativas na área financeira”, pontuou Bacci.

 

Além da missão de green bonds em dólares, ocorrida em julho, também fomos pioneiros na emissão do primeiro título verde do mercado nacional, em uma operação envolvendo Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). As operações movimentaram, respectivamente, US$ 500 milhões e R$ 1 bilhão. Em ambos os casos, os recursos captados serão destinados a projetos que tenham atributos positivos do ponto de vista ambiental, estimulando o desenvolvimento sustentável.