Suzano sobe após superintendência do Cade aprovar fusão com Fibria, que opera estável

Por Celulose Online

As ações da Suzano Papel e Celulose e da Fibria Celulose tinham variações tímidas nesta segunda-feira, no primeiro pregão após a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovar sem restrições a fusão das duas companhias, que criou a maior produtora de celulose do mundo.

Por volta das 11:30, os papéis da Suzano tinham alta de 0,77 por cento, a 41,87 reais, enquanto Fibria operava com variação positiva de 0,11 por cento, a 72,50 reais.

No mesmo horário, o Ibovespa subia 1 por cento.

No ano, Suzano acumula alta de mais de 120 por cento e Fibria, de mais de 50 por cento.

Em comunicado no final da quinta-feira, a Suzano ressaltou que a “consumação da referida operação está ainda sujeita ao cumprimento de outras condições precedentes usuais para este tipo de operação”.

De acordo com a Fibria, em comunicado separado, o processo ainda está sujeito a eventual recurso de terceiros ou avocação, pelo Tribunal do Cade, pelo prazo de 15 (quinze) dias a contar da publicação no Diário Oficial da União.

Ainda segundo a Fibria, a operação também aguarda a aprovação pela autoridade da concorrência na Europa.

Conforme ambas as empresas, “até a data da consumação da operação, as companhias não sofrerão qualquer alteração na condução de seus negócios, e permanecerão operando de forma independente”.

“A aprovação do Cade da fusão (da Suzano) com a Fibria, em conjunto com forte dinâmica de resultados deve ajudar a dar sustentação ao papel (da Suzano)”, escreveu a equipe de estratégia e análise da XP Investimentos em nota a clientes, reiterando a recomendação de ‘compra’ para os papéis da Suzano, com preço-alvo de 70 reais.

Os acionistas da Suzano e da Fibria aprovaram a operação em meados de setembro em assembleias gerais extraordinárias.

A proposta, anunciada em março, envolve a incorporação de ações da Fibria pela Suzano.